Blog

Uma dor capaz de acabar com o seu humor e capacidade de executar tarefas diárias ou mesmo curtir os seus planos de férias inesquecíveis. Assim, sem exagero na descrição, é a enxaqueca. Basta perguntar a quem sofre por ela e sua característica dor de cabeça latejante, em apenas um lado da cabeça. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cefaleia, 2% da população mundial sofre de enxaqueca crônica, número assustador, bem como o equivalente brasileiro: cerca de 4 milhões de pacientes. Não por menos, a enxaqueca crônica é a 3ª doença com maior intensidade no planeta, além de ocupar a sétima posição entre as que mais incapacitam. Apesar de não ter cura, pode ser tratada e ter os seus efeitos amenizados. Uma das formas de tratamento é a utilização do Aimovig, aprovado pela U.S. Food & Drug Administration (FDA), agência reguladora estadunidense.

Desenvolvido pela Novartis, o medicamento combate a molécula CGRP que, quando em alto nível, se torna uma das responsáveis por deflagrar crises de enxaqueca. Ao possuir um anticorpo que tira a molécula CGRP de circulação no organismo, o Aimovig apresentou resultados impressionantes durante o estudo, feito na Universidade King’s College, de Londres: testado em 3 mil pessoas, o medicamento reduziu em 50% a incidência das crises de enxaqueca, além de amenizar a dor, quando elas ocorriam.

Revolucionário, o medicamento é o primeiro com a especificidade de combater a enxaqueca. Antes, os pacientes tinham como opção a utilização de antidepressivos e remédios de combate à epilepsia, caracterizados por significativas reações adversas em quem tem enxaqueca. Este é outro diferencial do Aimovig, que também substitui os comprimidos por uma injeção mensal: foram poucos os relatos de efeitos colaterais, como constipação intestinal e por deixar dolorida a área da injeção, embora por poucos dias.

O estudo inglês aponta, também, que a utilização do Aimovig, por ser mensal, tem mais aderência no tratamento da doença, bem como o medicamento se torna um aliado tanto para aliviar casos esporádicos quanto na prevenção de novos episódios. Para isso, o medicamento deve ser utilizado de forma contínua. Vale ressaltar que o efeito do medicamento é potencializado em pacientes que se dedicam a atividades físicas, boa alimentação e usufruem de boas horas de sono, além de tratamentos alternativos, como acupuntura.

Medicamentos em Destaque

  • Todos
  • Acalabrutinib
  • Acetato De Lanreotida
  • Alergista
  • Apalutamide
  • Cabozantinib
  • Carcinoma De Célula Escamosa Cutânea Metastático
  • Carcinoma Metastático
  • Carfilzomib
  • Cemiplimab
  • Clínico Geral
  • Colangite Biliar Primária
  • Crizotinib
  • CSCC
  • Câncer
  • Câncer De Bexiga
  • Câncer De Mama
  • Câncer De Ovário
  • Câncer De Pele
  • Câncer De Próstata
  • Câncer De Pulmão
  • Câncer De Tiroide
  • Daratumumab
  • Dermatologia
  • Doença De Wilson
  • Enasidenib
  • Endocrinologia
  • Enxaqueca
  • Erenumab Aooe
  • Gastroenterologia
  • Geneticista
  • Gilteritinib
  • Ginecologia
  • Hematologia
  • Hepatite C
  • Hepatologia
  • HIV Infecção Em Adultos
  • Ibrutinib
  • Infectologia
  • Ipilimumabe
  • Ledipasvir
  • Lenalidomide
  • Leocemia Mieloide
  • Leucemia
  • Leucemia Mieloide Aguda (LMA)
  • Mastologia
  • MCL
  • Melanoma
  • Melanoma Avançado
  • Mieloma Múltiplo
  • MPS VII
  • Neurologia
  • Olaparib
  • Oncologia
  • Ortopedia
  • Osimertinib
  • Palbociclib
  • Pediatria
  • Pembrolizumab
  • Pneumologia
  • Psoríase Em Placa
  • Recombinant Human Erythropoietin
  • Sofosbuvir
  • SÍNDROME DE SLY
  • Trientine
  • Ustequinumabe
  • Vandetanib
  • Velpatasvir
  • Voxilaprevir
  • Ácido Obeticólico
  • Default
  • Title
  • Date
  • Random
mais medicamentos segure SHIFT para carregar todos todos os medicamentos